Alerta*Coordenador de Vigilância Ambiental de Barra de São Francisco divulga carta aberta sobre Combate à Dengue

Comente
CARRINHO-MALUCO
111 12227650_924401994280242_7856840745081785682_n
Equipe-Dengue

O Coordenador de Vigilância Ambiental de Barra de São Francisco, Gelder Daniel da Silva, divulgou na manhã da última quinta-feira, 2 de março, uma carta aberta à população com intuito de orientar sobre cuidados necessários para o combate e controle do mosquito Aedes Aegypti, transmissor da dengue. 

No comunicado, o coordenador detalhou os cuidados que devem ser tomados para evitar a proliferação do mosquito e ainda passou dados levantados durante o trabalho dos Agentes de Endemias do município. Confira abaixo a nota na íntegra: 

Vigilância Ambiental em Saúde – Dengue Barra de São Francisco – ES 02 de Março de 2017

Carta aberta à População

Venho por meio deste, orientar a população para os cuidados necessários p/ combate e controle do mosquito Aedes Aegypti (Dengue). Estamos no período de chuvas, e nossa cidade está em alerta de surto de dengue. A ação mais simples para prevenção da dengue é evitar o nascimento do mosquito, já que não existem vacinas ou medicamentos que combatam a contaminação.

Para isso, é preciso eliminar os lugares que eles escolhem para a reprodução, A regra básica é não deixar a água, parada em qualquer tipo de recipiente. Como a proliferação do mosquito da dengue é rápida, além das iniciativas governamentais, é importantíssimo que a população também colabore para interromper o ciclo de transmissão e contaminação. Para se ter uma idéia, em 45 dias de vida, um único mosquito pode contaminar até 300 pessoas.

Estudos realizados em nossas cidade compravam que 65% dos focos positivos para o mosquitos da Dengue são encontrados dentro das nossas residências e que 24% do total de positivos são do mosquito Aedes Albopictus( Febre Amarela), isto não quer dizer que estão infectados, mas não queremos correr este risco não é mesmo? Então, a dica é manter recipientes, como caixas d’água, barris, tambores tanques e cisternas, devidamente fechados. E não deixar água parada em locais como: vidros, potes, pratos e vasos de plantas ou flores, garrafas, latas, pneus, panelas, calhas de telhados, bandejas, bacias, drenos de escoamento, caneletas, folhas de plantas, tocos e bambus, buracos de árvores, além de outros locais em que a água da chuva é coletada ou armazenada.

É bom lembrar que o ovo do mosquito da dengue pode sobreviver até 450 dias, mesmo se o local onde foi depositado o ovo estiver seco. Caso a área receba água novamente, o ovo ficará ativo e pode atingir a fase adulta em um espaço de tempo entre 2 e 3 dias. Por isso é importante eliminar água e lavar os recipientes com água e sabão. Não podemos deixar um mosquito ser mais forte do que uma cidade , então vamos por a mão na massa e entrar firme na guerra todos juntos contra esse inquilino indesejado, por que: QUEM PREVINE, VIVE MELHOR!

Atenciosamente,

Gelder Daniel da Silva

Coord. Vig. Ambiental

12311101_932419773478464_1231929020317032740_n
111 12227650_924401994280242_7856840745081785682_n

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *