Desabastecimento: gasolina, diesel e comida começam a faltar no ES

Comente
CARRINHO-MALUCO
111 12227650_924401994280242_7856840745081785682_n
2405quin_eco_abre_p01-5623008

Paralisação de caminhoneiros tem impedido a chegada de produtos

A greve dos caminhoneiros, que hoje entra em seu quarto dia, começa a afetar o abastecimento, de comida a combustíveis, no Espírito Santo.

gazeta on line

O efeito dessa escassez pode ser sentido no preço de alguns produtos, que já chegam a triplicar de valor. É o caso, por exemplo, da batata inglesa, vendida a R$ 1,60 o quilo antes do movimento, agora é comercializada por mais de R$ 5 nas Centrais de Abastecimento do Espírito Santo (Ceasa).

O mesmo aconteceu com a cebola. Se antes estava na faixa de R$ 2, passou a custar mais de R$ 4 desde segunda-feira, 21, quando os caminhões com essas mercadorias e outras, como melão, maçã e melancia, passaram a não chegar no estabelecimento.

33358610_2030534440350287_7553828685946552320_n

 

 

 

 

Em Barra de São Francisco caminhoneiros em greve pelo aumento no combustível, paralisam  Rodovia Levi Teixeira Lima,

Segundo os organizadores a paralisação é por tempo indeterminado,  sendo permitido apenas a passagem  de veículos de pequeno porte,de ônibus e ambulâncias.

O protesto já afeta 14 pontos das BRs que cortam o Estado. Um dos locais bloqueados ontem à noite era próximo da Ceasa. A interdição foi feita por motoristas de aplicativo que aderiram à manifestação com o objetivo de impedir a entrada de caminhões na companhia de abastecimento.

Segundo o diretor técnico operacional da Ceasa/ES, Henrique Casamata, o principal modal logístico para o transporte de alimentos é ainda o rodoviário. “Dependemos 100% das rodovias liberadas. Essa diminuição de mercadorias afeta toda uma cadeia, que gera quase 15 mil empregos diretos e indiretos e R$ 1 bilhão de receita por ano ao movimentar 500 mil toneladas de alimentos. Recebemos por dia 3,5 mil veículos. Se a paralisação não acabar, uma das consequências, além de prejuízos para os comerciantes, é uma forte elevação nos preços”, afirma.

No setor varejista de alimentação, lojas de Cachoeiro de Itapemirim estão com os estoques de carne e laticínios se esgotando, de acordo com o superintendente da Associação Capixaba dos Supermercados (Acaps), Hélio Schneider.

“A maioria das empresas não estoca esse tipo de comida. Uma solução encontrada por alguns supermercadistas é transportar esses alimentos em carros pequenos, passando por vias alternativas, mas até nesses locais temos notícias de bloqueios”, acrescenta Schneider.

Um empresário do setor que não quis se identificar disse que, na Grande Vitória, os maiores supermercados têm centros de distribuição que garantem por alguns dias ainda um bom volume de carne. “O grande problema é o hortifrúti. Muita mercadoria de fora, como a batata, a cebola, a melancia, está em falta. Temos estoque até esta quinta-feira. Estamos recebendo apenas os alimentos produzidos no Estado, que estão vindo por caminhos alternativos, passando por dentro de fazendas até chegar aos pontos livres dos protestos”, revela.

COMBUSTÍVEIS

A greve dos caminhoneiros também tem provocado falta de combustível. No início da tarde de ontem, a reportagem confirmou que havia carência de gasolina, etanol e diesel em postos das cidades de Cachoeiro de Itapemirim, Muniz Freire, Irupi, Rio Novo do Sul, Iconha, Castelo, Vargem Alta, Divino São Lourenço, Atílio Vivacqua, Iúna, Anchieta e Ibatiba. Nos municípios de Alfredo Chaves, Itapemirim, Muqui, Dores do Rio Preto, Apiacá e Alegre, os postos só tinham combustível para atender até ontem.

Por causa da falta de diesel, o transporte público de Cachoeiro de Itapemirim teve a frota de ônibus reduzida em 25% ontem e, a partir de hoje, os coletivos vão rodar com o horário de sábado.

O problema acontece porque os caminhões carregados com combustível estão parados nos pontos de bloqueios e não estão conseguindo chegar aos municípios.

A falta de combustíveis em postos de Cachoeiro de Itapemirim foi confirmada pelo Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado do Espírito Santo (Sindipostos-ES).

O desabastecimento em Iúna e Muniz Freire foi informada por funcionários dos postos.

Manifestação de caminhoneiros chega em 15 pontos de rodovias do Espírito Santo

Veja os pontos onde acontecem manifestações de caminhoneiros nas rodovias do Estado, segundo a PRF:

– BR 101
Km 125 (Sooretama)
Km 159 (Bebedouro, Linhares)
Km 204 (trevo com a BR 259, João Neiva)
Km 214 (trevo de acesso a Aracruz, Ibiraçu)
Km 247 (posto Bruna, zona rural da Serra)
Km 285 (rodovia do Contorno, posto Santa rita, Cariacica)
Km 304 (trevo com a BR 262 e de frente ao posto Flecha, Viana)
Km 376 (Iconha)
Km 414 (trevo de Safra, Itapemirim)

– BR 262
Km 46 (Fazenda do Estado, Pedra Azul, Domingos Martins)
Km 156 (Ibatiba)

– BR 259
Km 46 (Colatina)
Km 51 (Colatina)
Km 100 (Baixo Guandu)

– BR 447
Km 13,7 (trevo de acesso ao porto de Capuaba, Vila Velha)

INTERDIÇÕES BR

101 Linhares (Km 159), João Neiva (Km 204), Ibiraçu (Km 214), Serra (Km 274), Cariacica (Km 285), Viana (Km 304), Iconha (Km 376) e Trevo de Safra, em Itapemirim (Km 414).

BR 262 Domingos Martins (Km 95) e Ibatiba (Km 156).

BR 259 Colatina (Km 46 e 51).

BR 447 Vila Velha (Capuaba). Rodovia do Sol Setiba (Km 40).

12311101_932419773478464_1231929020317032740_n
111 12227650_924401994280242_7856840745081785682_n

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *