ES*Marceneiro transforma pneus usados em puffs estofados na garagem de casa

Comente
CARRINHO-MALUCO
111 12227650_924401994280242_7856840745081785682_n
1_dsc_0235-4295736

Alex está no ramo de estofados há 10 anos, mas, incentivado pela cunhada, que viu a ideia em um site de uma uruguaia, decidiu se arriscar em novos produtos em outubro de 2015

Criatividade, força de vontade e consciência com o meio ambiente. Essas características definem o microempresário Alex Paulino de Oliveira, que decidiu unir as ideias inovadoras e os conhecimentos de marcenaria para se arriscar em um novo empreendimento: transformar pneus em puffs estofados. E o melhor: todo o trabalho é realizado na garagem de casa, em Jardim América, em Cariacica.
O marceneiro entrou em contato com a equipe do Gazeta Online e nós fomos conferir de perto a rotina do trabalhador. Alex tinha um emprego convencional e conciliava com a produção de estofados. Entretanto, após um tempo, percebeu que seria mais vantajoso trabalhar por conta própria e se dedicar somente aos estofados. 
Foto: Rita BenezathAlex Paulino de Oliveira e sua esposa Marli Schimidt

Alex está no ramo de estofados há 10 anos, mas, incentivado pela cunhada, que viu a ideia em um site de uma uruguaia, decidiu se arriscar em novos produtos em outubro de 2015.

”Os puffs que eu produzo aqui são bem diferentes dos vistos no site, mas a ideia geral surgiu dessa forma”, explica. O processo de produção começa na parte da manhã, quando Alex sai para procurar pneus nas ruas de Cariacica. Após fazer a limpeza do pneu, o primeiro passo é colocar a madeira, forrá-lo com a espuma e produzir o acolchoado.
Em janeiro deste ano, quando aconteceu o auge dos pedidos, a esposa de Alex, Marli Schmidit, largou um emprego em um restaurante para ajudá-lo. ”Como o nosso trabalho é realizado na garagem de casa, a melhor parte de trabalhar de forma autônoma é poder ficar mais tempo com meu filho e ajudar meu marido”, afirma Marli. Para auxiliar nas produções, há também um funcionário.

Além de puffs, Alex passou a confeccionar, também, mesinhas de centro. A ideia surgiu recentemente, quando o microempresário viu um pneu de motocicleta caído na rua. “Tive a ideia de fazer a mesinha, comprei o pé de palito e confeccionei. Após divulgá-lo em rede social, no mesmo dia recebi cinco pedidos”. Ao contrário dos puffs, as mesinhas são feitos apenas de pneus de motos.

Recentemente, Alex teve uma realização pessoal: conseguiu comprar uma máquina para fazer os pés chipandelle, que são os que possuem um design diferente do liso. ”Sinto uma grande alegria em saber que eu mesmo confecciono esses pés. Antes, eu ficava observando outras pessoas e sonhando quando eu mesmo faria. Agora, não preciso comprar de ninguém. Dessa vez, eu que fiz, relata, emocionado. Em média, são produzidos 30 puffs por semana. Os preços variam de R$ 150,00 a R$ 250. Ele conta, também, que são gastas 2 horas e meia para estofar um puff.

Foto: Rita BenezathAlex, além da esposa, também conta com um funcionário para ajudá-lo

Sucesso no país
O microempresário recebe encomendas de todas as regiões do Brasil. Nesta quarta-feira (6), foram enviados mais de 25 puffs e mesas de centro para os estados de São Paulo e Rio de Janeiro. O último, inclusive, é o estado que para qual ele mais vende, depois do Espírito Santo. As encomendas são feitas por meio da página de Alex no Facebook, além do Whatsapp e um telefone fixo. 
Entre os principais lugares para onde ele envia os produtos são Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Mato Grosso, Minas Gerais e São Paulo. “Esses dias, um empresário de Alagoas pediu 10 pufes para encomenda. Ele disse que paga o frete e que é só o início. Ele diz que vai querer comprar em mais quantidade para revender em sua loja’’, relata Alex.
Reciclagem
A preocupação com o meio ambiente também é algo que faz parte da rotina de Alex e sua esposa. “Sempre me preocupei com essa parte de meio ambiente. Aqui em casa, por exemplo, da espuma que sobra dos puffs, minha esposa corta e fazemos almofadas’’, conta Alex. Ele ressalta a importância de cada um fazer a sua parte. ‘’Com a epidemia de dengue e doenças, se cada um fizer sua parte, nós conseguiremos eliminar muitas coisas ruins’’.
Certa vez, ele viu vários pneus sendo jogados na rua. Então, o microempresário ofereceu dinheiro para que um homem juntasse pneus para ele. Quando o número atinge 30, ele recebe a ligação e vai buscá-los. Assim, evitou que fossem jogados na rua. “Eu estou ajudando fazendo a minha parte. Eu passo por muitos lugares e tiro os pneus das vias”, finaliza Alex.
12311101_932419773478464_1231929020317032740_n
111 12227650_924401994280242_7856840745081785682_n

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *