*Fim da paralização* Manifestantes fecham acordo com governo ES

Comente
CARRINHO-MALUCO
111 12227650_924401994280242_7856840745081785682_n
16-DSC09520

16667415_1261711050549333_571233000_oPor Letícia Freire

 

A manifestação dos familiares da Polícia Militar chegou ao fim na noite desta sexta-feira (10) após negociações com o Governo do Estado. Mais informações sobre o acordo em instantes.

O movimento até hoje

Na última quinta-feira (10) uma reunião entre representantes do governo e as mulheres que representam o movimento de paralisação dos policiais militares foi realizada, porém, após mais de 10 horas de duração, terminou sem um acordo entre as partes.

Os representantes das manifestantes e das associações que representam os policiais militares foram recebidos pelo comitê permanente de negociação do governo, formado pelos secretários da Fazenda, Paulo Roberto Ferreira; de Controle e Transparência, Eugênio Ricas; de Direitos Humanos, Júlio César Pompeu; e da Casa Civil, José Carlos da Fonseca Júnior.

Essa foi a segunda rodada de negociações, depois que o Governo do Estado instituiu o comitê de negociação. A primeira foi na noite de quarta-feira (08) e durou cerca de três horas.

Crise na segurança

A crise na segurança pública durou seis dias e o assunto foi destaque internacional. As vias de acesso dos batalhões capixabas foram fechadas pelas famílias e amigos dos militares, o que levou à paralisação total dos policiais. O resultado foi muita insegurança, arrombamento, saques, assaltos e centenas de mortes em todo Espírito Santo.

As manifestações começaram na sexta-feira (3), quando parentes de policiais militares se reuniram em frente ao 6º Batalhão, na Serra, e bloquearam a saída de viaturas. Dentre as reivindicações, estavam reajuste salarial e o pagamento de auxílio-alimentação, periculosidade, insalubridade e adicional noturno aos policiais.

 

O governador licenciado ficou no hospital até a última terça-feira (7), quando retornou ao estado e continuou de licença
Foto: Divulgação/Governo

Governo em exercício

Durante as manifestações, quem assumiu o comando do Governo do Estado foi o vice-governador César Colnago (PSDB). Paulo Hartung se ausentou no primeiro dia de paralisação da PM para tratar de um tumor na bexiga.

O governador ficou no hospital Sírio Libânes até a última terça-feira (7), quando retornou ao estado e continuou de licença.

Mais de 100 mortes no Espírito Santo

Já são mais de 100 assassinatos contabilizados em todo o Espírito Santo em seis dias de paralisação dos policiais militares, de acordo com o Sindicato dos Servidores Policiais Civis do Estado do Espírito Santo (Sindipol/ES).

Segundo o presidente do sindicato, Jorge Emílio Leal, os números exatos pararam de ser atualizados.

Crise na Polícia Civil 

Na quarta-feira (8), policiais civis fizeram um protesto manifestando pesar à morte do investigador, Mário Marcelo Albuquerque, que foi vítima de um disparo no abdômen ao tentar evitar um assalto no município de Colatina.

Assim como a Polícia Militar, a categoria reivindica por melhores condições de trabalho, reajuste salarial, dentre outras.

Forças Armadas e Força Nacional

Mais de 1000 homens foram enviados ao ES
Foto: Agência Brasil

Uma ordem verbal feita pelo presidente Michel Temer ao ministro da Defesa, Raul Jungmann, pediu o envio de cerca de 800 a 850 militares do Exército Brasileiro, do Rio de Janeiro, para se juntar aos 200 militares que atuarão no Espírito Santo para retomada da segurança no Estado.

De acordo com o Ministério da Defesa, mil homens das Forças Armadas (Marinha, Exército e Aeronáutica) e 200 da Força Nacional foram empregados na Garantia da Lei e da Ordem, na última segunda-feira (06), no Espírito Santo, principalmente, na Grande Vitória.

Sem ônibus

Foram poucos os dias em que os coletivos conseguiram circular na Grande Vitória. Na manhã de quinta-feira, o presidente do Sindicato de Guarapari, Wallace Belmiro Fornaciari, de 49 anos, foi morto a tiros a caminho do serviço, no bairro Alvorada, em Vila Velha.

Por conta do assassinato, o presidente do Sindicato dos Rodoviários da Grande Vitória, Edson Bastos, decidiu retirar os ônibus das ruas e retornar para as garagens. De acordo com ele, não havia a segurança suficiente como prometido pelo Governo e os rodoviários estavam sendo ameaçados por suspeitos armados nas ruas.

Fonte: Folha Vitória

12311101_932419773478464_1231929020317032740_n
111 12227650_924401994280242_7856840745081785682_n

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *