“Isolamento piorou”, diz prefeito de Colatina sobre rodízio no comércio

0

Prefeito encaminhou ao governo proposta para acabar com o rodízio e voltar
com a abertura do comércio geral, em dois turnos, de segunda a sexta-feira

As cidades que são classificadas pelo governo do Estado como risco alto para contaminação pelo novo coronavírus devem, por decreto, abrir o comércio em sistema de rodízio – em um dia, abrem lojas de produtos relacionados ao corpo e, no outro, demais segmentos. No
entanto, o prefeito de Colatina, Sergio Meneguelli, observou que o isolamento social no município piorou depois que o revezamento foi adotado.


Diante desse quadro, o prefeito informou que encaminhou ao governador Renato Casagrande, na última quarta-feira (1º), uma proposta para que autorize o município a voltar ao sistema de abertura escalonada – lojas de um segmento abrindo pela manhã e
os demais segmentos pela tarde, de segunda a sexta-feira.
Em Colatina, a média de isolamento é de 42,17%, a segunda pior no Estado, segundo o Painel de Isolamento Social, da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa). Bom Jesus do Norte é a cidade com a média mais baixa com 40,43%.
“O prefeito não pode desrespeitar o decreto do governador. Ele pode restringir, mas não afrouxar as normas do decreto. O Ministério Público está cobrando muito a gente, estão fazendo fiscalização surpresa. O que fiz ao governador foi um pedido de autorização
para que a gente possa fazer o nosso decreto, porque a gente reconhece a nossa realidade”, explicou Meneguelli, que disse aguardar resposta para o pedido.

Supermercados proibidos de abrir por dois finais e semana

De acordo com o prefeito, Colatina adotou medidas mais restritivas, como a suspensão das feiras livres, que já não ocorrem há três meses, e, nos próximos dois finais de semana, apenas farmácias, padarias, mercearias, clínicas médicas, postos de combustíveis e
outros serviços classificados como essenciais vão poder funcionar. Supermercados, hipermercados, atacadistas, lojas de produtos alimentícios, lojas de cuidados de animais, insumos agrícolas e lojas de embalagens estão proibidos de abrir as portas durante os
11, 12, 18 e 19. Está autorizado o serviço de delivery, apenas para entrega em domicílio. O cliente pegar na loja, até mesmo no sistema drive thru, está proibido.
“Antes do decreto (que determinou o rodízio no comércio), a gente conseguia controlar o transporte público melhor, porque uma categoria abria de manhã e, até às 14h, ficava fechado o comércio.
Isso diminuía a aglomeração”, justificou o prefeito. Meneguelli destacou que Colatina é uma cidade satélite na região Noroeste e tem uma população flutuante, já que muitas pessoas
moram em cidades vizinhas e até mesmo em Minas Gerais, que fica a algumas horas do município, e vão até Colatina para estudar, trabalhar ou fazer compras.
“Em Colatina, a gente precisa mudar esse comércio alternado. Uma pessoa que mora em Aimorés (MG) e faz compra em Colatina precisa vir dois dias em Colatina. Se tiver a mudança, ela pode vir pela manhã, fazer a compra e aguardar pela reabertura das lojas para comprar o outro produto que precisa. Isso diminui o vai e vem”, disse o prefeito.
Enquanto a resposta do governo não vem, o município segue com o rodízio no comércio. “Mesmo não concordando, eu não infringiria o decreto. Não sou de confrontar”, garantiu.