Mãe e padrasto são presos suspeitos de matar menino estrangulado em Cachoeiro, ES

Comente
CARRINHO-MALUCO
111 12227650_924401994280242_7856840745081785682_n
aaa

Por G1 ES

A mãe e o padrasto de um menino de nove anos, que morreu dentro da própria casa em Cachoeiro de Itapemirim, no dia 16 de outubro, foram presos nesta quarta-feira (7) suspeitos de terem estrangulado a criança. Na época, a hipótese inicialmente levantada foi que se tratava de um caso de suicídio, mas a Polícia Civil confirmou que foi um crime

Luiz Gustavo foi estrangulado; mãe e padrasto estão presos em Cachoeiro de Itapemirim — Foto: Reprodução/TV Gazeta

O delegado Felipe Vivas explicou que, no dia do crime, o casal chegou a ser levado para prestar esclarecimentos. Os dois relataram que haviam repreendido o menino Luiz Gustavo dos Santos Moraes por causa de bagunça e que depois disso ele acabou cometendo suicídio usando um cinto.

A versão causou desconfiança na polícia. “O depoimento deles parecia muito ensaiado, mas tínhamos de esperar o laudo cadavérico para decretar a prisão. Nós ouvimos outras testemunhas, que apresentaram versões que fortaleciam nossas suspeitas sobre divergências no depoimento do casal”, disse Vivas.

A investigação durou 21 dias e laudos confirmaram que Luiz Gustavo foi estrangulado até a morte. “O laudo cadavérico constatou que a causa da morte fora estrangulamento e não enforcamento. Mesmo depois de presos e com todas as provas, eles continuam a negar o crime”, detalhou o delegado.

Ainda havia a suspeita de que a criança foi abusada sexualmente antes de morrer. “A médica legista não chegou a essa conclusão, precisa de exames laboratoriais para chegar a essa conclusão. Em uma inspeção visual, isso não ocorreu”, relatou Vivas.

Também faltam sair os resultados de outros exames laboratoriais, que podem indicar que foi que estrangulou o garoto, mas o casal já foi indiciado por homicídio duplamente qualificado.

Padrasto de menino sendo preso no Sul do ES — Foto: Marcel Alves/TV Gazeta

Padrasto de menino sendo preso no Sul do ES — Foto: Marcel Alves/TV Gazeta

Troca de mensagens

A polícia também informou que faz parte do inquérito uma troca de mensagens entre a mãe e o padrasto. Ela dizia que chamaria o Conselho Tutelar porque ele teria apertado o pescoço do menino.

“Ela pergunta sobre uma suposta agressão que ele teria feito ao Luiz Gustavo, que ele teria segurado no pescoço do Luiz Gustavo. Então é mais um indício de que poderia ser característico uma forma de agressão nesse sentido, já que o menino foi justamente agredido nessa região vital”, falou o delegado.

Prisão

O casal foi localizado em uma outra residência, no distrito de Guiomar, zona rural de Vargem Alta.

O padrasto foi encaminhado ao Centro de Detenção Provisória (CDP) de Cachoeiro de Itapemirim e a mãe ao Centro Prisional Feminino (CPF) do mesmo município.

O casal ainda tem uma filha de um ano, que está recebendo os cuidados de parentes e tendo apoio do Conselho Tutelar de Cachoeiro de Itapemirim.

12311101_932419773478464_1231929020317032740_n
111 12227650_924401994280242_7856840745081785682_n

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *