Morador que espancou faxineira na Praia do Canto é condenado a 20 anos de prisã

Comente
CARRINHO-MALUCO
111 12227650_924401994280242_7856840745081785682_n
1_bertran-4811163
O amazonense Bertrand Aron Vibert Franceschi (Foto: Fábio Nunes/ Arquivo AT/ 31/12/16)

O amazonense Bertrand Aron Vibert Franceschi (Foto: Fábio Nunes/ Arquivo AT/ 31/12/16)

O amazonense Bertrand Aron Vibert Franceschi foi condenado a 20 anos e seis meses de prisão pela tentativa de homicídio contra a faxineira Creonice Coutinho dos Santos Andrade em um prédio na Praia do Canto, Vitória, em 2016.

Na decisão, o juiz Marcos Pereira Sanches afirmou que o réu agrediu a vítima com socos e chutes na cabeça enquanto ela estava caída e depois desacordada. “Há gravíssimas consequências do crime, na medida em que a vítima ficou incapacitada para suas ocupações habituais por mais de 30 (trinta) dias, remanesce com duas hérnias de disco e dois nervos da coluna pressionados”, completou.

Ainda de acordo com o magistrado, a vítima não pode voltar ao trabalho. “O fato lhe provocou traumas e sequelas, de difícil reparação, notadamente a incidência diária de dores pelo corpo”, destacou.

O amazonense também teve a carteira de motorista suspensa pelo crime de embriaguez ao volante. Além disso, ele deve prestar serviços à comunidade durante cinco meses por causa do uso de drogas. O juiz também fixou o valor de 40 salários mínimos de indenização para a faxineira.

O advogado de defesa Horário do Carmo de Oliveira disse que já recorreu da decisão.

Câmeras registraram as agressões na garagem do prédio  (Foto: Videomonitoramento/ Arquivo AT)

Câmeras registraram as agressões na garagem do prédio (Foto: Videomonitoramento/ Arquivo AT)

Relembre o caso

As agressões foram registradas pelas câmeras de videomonitoramento do prédio em que Bertrand morava e Creonice trabalhava. A reportagem do jornal A Tribuna de 31 de dezembro de 2016 contou que o amazonense caiu, bateu a cabeça e passou mal na garagem do edifício. A faxineira foi verificar como ele estava e foi agredida.

Ele disse para a polícia que comprou 15 pinos de cocaína. Quando policiais revistaram o carro em que ele estava, encontraram dezenas de latas de cerveja e 13 pinos de cocaína. O amazonense afirmou que “saiu para festejar e acabou bebendo e usando cocaína”.

12311101_932419773478464_1231929020317032740_n
111 12227650_924401994280242_7856840745081785682_n

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *