Polícia Civil prende suspeito de dopar e abusar sexualmente de mulher em Vitória

0

Vítima e suspeito se conheceram em um aplicativo de relacionamento

Um homem de 37 anos foi detido pela equipe da 3ª Delegacia de Polícia (DP) da Praia do Canto por dopar e abusar sexualmente de uma mulher. O suspeito também subtraiu da vítima, aproximadamente, R$30 mil em joias. O mandado de prisão foi cumprido na última segunda-feira (10), em um edifício comercial do bairro Santa Lúcia, em Vitória.

O titular da 3ª DP, delegado Agis Filho, relatou que os envolvidos se conheceram em um aplicativo de relacionamentos e marcaram de se encontrar em um local público. “O encontro aconteceu no dia 23 de janeiro deste ano. Na ocasião, o suspeito aplicou uma substância sonífera na bebida da vítima e a levou para casa dela, localizada no bairro Santa Helena, para cometer os crimes”, informou.

Na última quinta-feira (13), os policiais cumpriram um mandado de busca e apreensão na residência do detido. “No local foi apreendido a substância utilizada para dopar e abusar a vítima. Já as joias furtadas ainda não foram localizadas”, afirmou Agis Filho.

Ainda segundo o delegado, o detido é investigado em outra unidade policial por um crime semelhante ocorrido em 2018. “Nesse caso, ele dopou a vítima, cometeu o roubo, mas não abusou sexualmente dela”, disse.

O delegado Agis Filho complementa que, nesse período de Carnaval, a atenção para o que será consumido deve ser redobrada. “Nós recomendamos que o cidadão não aceite quaisquer alimentos ou bebidas oferecidas, principalmente, por desconhecidos. Todo cuidado é pouco. Caso você ou alguém ao seu lado caia nesse tipo de golpe, não tenha vergonha e procure uma unidade policial rapidamente. A denúncia também pode ser realizada de forma anônima, através do Disque-Denúncia 181 ou pelo site https://disquedenuncia181.es.gov.br/. Todas as informações recolhidas serão apuradas”, alertou.

O suspeito foi autuado pelos crimes de estupro e roubo. Após os procedimentos de praxe, ele foi encaminhado ao Sistema Penitenciário do Estado.

Sobre a substância

O chefe do Departamento de Laboratório Forense (DLBF), perito oficial criminal Fabrício Pelição, explicou que o medicamento usado pelo suspeito causa sonolência e reage no organismo como uma substância hipnótica. “Além disso, essa substância causa o que chamamos de amnésia anterógrada, isto é, amnésia recente. Após a ingestão de uma grande quantidade dela, a vítima não possui consciência de suas ações, mas consegue responder comandos dados por segundos. Por isso, esse remédio é muito utilizado na prática do famoso golpe ‘Boa noite Cinderela”, relatou.

Segundo o perito, o tempo que a vítima leva para denunciar o abuso na Polícia Civil é crucial para a identificação deste tipo de crime. “Esse medicamento permanece no organismo da pessoa por um período de 12 até 24 horas, após a aplicação. Já o efeito dele pode durar de quatro a oito horas, dependendo da dosagem utilizada. Porém, em muitos casos por vergonha, as vítimas costumam procurar ajuda após a substância já ter se dissolvido no corpo. Em alguns casos a vítima acorda muitas horas após o crime e não se recorda do que aconteceu, devido ao efeito da amnésia anterógrada”, explicou.

Fabrício Pelição ressaltou que esse remédio só é vendido por meio de receita médica. “Em muitos casos o suspeito adquire o medicamento por meio de contrabando”, informou o perito.