Saiba quais são os três erros mais comuns na biomecânica de corrida

Comente
CARRINHO-MALUCO
111 12227650_924401994280242_7856840745081785682_n
istock-589985118

Desempenho do corredor pode ser afetado pelos movimentos inadequados a cada passada

Por Raquel Castanharo, Jundiaí, SP

A biomecânica da corrida se refere a forma como nos movimentamos a cada passada. Algumas características geram maior sobrecarga sobre as articulações ou reduzem a rendimento do corredor. Veja quais são as mais comuns:

Alto impacto

Correr com problemas na absorção de impacto é algo bastante frequente entre os corredores, sendo um dos principais fatores de biomecânica relacionados à lesão. É possível observar esse erro através do barulho que o pé faz ao tocar o chão: quando o barulho é muito alto, o impacto provavelmente está muito alto também.

Os amortecedores de tênis atenuam um pouco esse choque, mas sozinhos não são capazes de eliminá-lo e tornar a corrida mais segura. É preciso ajuda e trabalho dos músculos do próprio corpo para melhorar a passada. Uma dica é ficar atento ao impacto e se esforçar para correr mais suavemente, sem tanto barulho.

 

Tente ter um impacto mais suave durante a sua corrida (Foto: Getty Images)

Tente ter um impacto mais suave durante a sua corrida (Foto: Getty Images)

Overstride

Overstride se refere a uma pisada muito longa, ou seja, quando o pé aterrissa no chão ele está muito distante do corpo. Esse padrão de passada aumenta a sobrecarga sobre o joelho e também piora o impacto. Uma das maneiras de corrigir o overstride é aumentando a cadência em 5 ou 10%. Portanto, se você corre com 160 passos por minuto, um aumento de 5%, que leva a uma cadência de 168 passos por minuto, tende a reduzir o overstride e melhorar esse aspecto de sua biomecânica da corrida.

 

Boa postura: imagine uma corrda que te puxa para cima durante o treino (Foto: Istock Getty Images)

Boa postura: imagine uma corrda que te puxa para cima durante o treino (Foto: Istock Getty Images)

Correr “sentado”

Nosso corpo tem que vencer a gravidade a todo momento durante a corrida, usando para isso nossa musculatura extensora. Quando há uma falha na ação desses músculos o corpo parece muito “relaxado para baixo”, como se o tronco estivesse “sentado” sobre o quadril. Essa postura, além de fazer as articulações sofrerem, não ajuda no rendimento da corrida. Para melhorar a postura, imagine que existe uma corda que te puxa para cima e mantém seu tronco mais ereto.

Ter uma boa mecânica é muito importante para uma corrida saudável. Fique atento e bons treinos!

*As informações e opiniões emitidas neste texto são de inteira responsabilidade do autor, não correspondendo, necessariamente, ao ponto de vista do Globoesporte.com / EuAtleta.com.

 

Fisioterapeuta formada e mestra em biomecânica da corrida na USP. Realizou pesquisa em biomecânica da coluna na Universidade de Waterloo, Canadá. Trabalha com fisioterapia e avaliação biomecânica em São Paulo e Jundiaí. www.raquelcastanharo.com.br (Foto: EuAtleta) Fisioterapeuta formada e mestra em biomecânica da corrida na USP. Realizou pesquisa em biomecânica da coluna na Universidade de Waterloo, Canadá. Trabalha com fisioterapia e avaliação biomecânica em São Paulo e Jundiaí. www.raquelcastanharo.com.br (Foto: EuAtleta)

Fisioterapeuta formada e mestra em biomecânica da corrida na USP. Realizou pesquisa em biomecânica da coluna na Universidade de Waterloo, Canadá. Trabalha com fisioterapia e avaliação biomecânica em São Paulo e Jundiaí. www.raquelcastanharo.com.br (Foto: EuAtleta)

12311101_932419773478464_1231929020317032740_n
111 12227650_924401994280242_7856840745081785682_n

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *