Secretário de Estado de Agricultura ES: ‘Não há necessidade de fechar feiras livres’

0

Fernanda Couzemenco (séculodiario.com)

O secretário de Estado de Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca (Seag), Paulo Foletto, defendeu a manutenção das feiras livres do Espírito Santo em vídeo postado nesta quinta-feira (19) nas redes sociais oficiais da pasta.

A postagem aconteceu logo após uma reunião em seu gabinete com lideranças da agricultura familiar capixaba, onde foi discutida a necessidade de esclarecer a população e os gestores municipais sobre as medidas que podem ser tomadas para que as feiras livres funcionem com segurança durante a pandemia de coronavírus (Covid-19) no Estado.

Até o momento, pelo menos três prefeituras decidiram suspender as feiras, todas no norte: Linhares, Colatina e Baixo Guandu. Já Vitória e Serra anunciaram que irão mantê-las em funcionamento.

“Não há necessidade de fechamento de feiras livres como tem sido feito por algumas prefeituras”, afirma, na abertura do vídeo. “A feira livre é um ambiente mais aberto. É claro que algumas trazem muitas pessoas, as pessoas se acotovelam, aí a nossa orientação é que vá uma pessoa só de cada família na feira livre. Não levar criança, não levar os idosos. Os idosos acima de 60 anos a recomendação médica é que fiquem no seu ambiente domiciliar”, orienta.

O secretário diz ainda que a retirada das feiras poderia levar mais pessoas para os mercados fechados, causando até um desabastecimento, “levando a um pânico desnecessário”. Disse ainda que “a Ceasa é a grande feira livre do Espírito Santo e continua abastecendo todo o Estado, o norte do Rio de Janeiro e o sul da Bahia. Estamos funcionando bem”, comparou.

Foletto encerra a postagem reforçando as “recomendações gerais” de prevenção, pedindo que os feirantes usem luvas para manipular os alimentos, que cubram o rosto ao tossir, afastando-se ao máximo das outras pessoas. “Mas o fechamento de feiras livres, no nosso entendimento, junto com a Secretaria de Saúde, é que não é necessário nesse momento. Então a nossa sugestão é que as feiras livres podem funcionar normalmente”, reafirmou.

As sugestões de Foletto estão sendo aplicadas em Atílio Vivacqua, extremo-sul do Estado, onde o secretário municipal, José Arcanjo Nunes, relatou alguns cuidados recomendados pela prefeitura aos feirantes e consumidores: “Mantivemos o funcionamento da nossa feira. Distanciamos as bancas, para evitar aglomeração. Os feirantes foram orientados a realizar a higienização das mãos durante a feira e a não participar da mesma se tiver alguém na família com sintomas de gripe”.

O secretário municipal enfatizou também “a importância da produção local, por uma questão de segurança alimentar”, diante do momento atual de pandemia. A feira da cidade é realizada somente com agricultores familiares do município, cujos produtos comercializados são de produções próprias, em que é proibido o atravessamento de produtos e a venda de carne”, ressaltou.