SEMEC realiza palestra motivacional com o  Professor Mestre Alexandre Camilo

Comente
CARRINHO-MALUCO
111 12227650_924401994280242_7856840745081785682_n
SONY DSC

SONY DSCA prefeitura Municipal de Barra de São Francisco através da secretaria Municipal de Educação (SEMEC) realizou no dia 27 de fevereiro uma palestra Motivacional para os profissionais da Educação Municipal de Barra de São Francisco. É uma palestra no formato “One Man Show” na qual o palestrante discorre e encena a partir de situações cotidianas. Todos os conceitos são de fácil entendimento e vivenciados com muito humor, tornando os espectadores mais próximos dos temas abordados. e uma palestra divertida que busca incentivar os educadores a mudarem suas posturas dentro e fora das salas de aula.

Cerca de 400 professores estiveram prestigiando o evento, entre as autoridades presentes destacamos o vice-prefeito Matheus, Secretario de educação Aldair Rhein, sub-Secretario de Educação João Emanuel e o vereador Wilson Mulinha.

A palestra foi ministrada pelo  e Conferencista e consultor educacional, Mestre em Comunicação pela ECA-USP. Pós-Graduado em Teatro Brasileiro e formado em Artes Cênicas. Consultor em RHD (Recursos Humanos Dramatizados). Dramaturgo, Ator e Diretor.

Ator, educador, contador de história e palestrante, Alexandre Camilo se formou em Artes Cênicas, mas foi após ser convidado para lecionar teatro em uma escola que percebeu a dificuldade de alguns educadores em usar a criatividade, o que deixava as crianças desmotivadas. Foi aí que começou a pesquisar a melhor forma da pessoa se comunicar e passou a trabalhar como palestrante para incentivar a comunicação entre trabalhadores de uma mesma equipe. Em entrevista exclusiva revelou que atualmente trabalha “muito mais nesse mundo coorporativo, nesse mundo com educadores”.

Em sua palestra, Alexandre Camilo mostra que como em qualquer área, o profissional que trabalha com a Educação precisa estar atento para as mudanças que ocorrem ao seu redor, em especial aos seus alunos. É necessário, portanto, evitar determinadas atitudes visando não apenas ensinar, mas principalmente educar.

O palestrante iniciou a sua palestra dizendo que a pessoa mais importante do nosso mundo somos nós mesmos. Ele citou ainda em determinado momento que o educador precisa trabalhar por amor e não pensando em sua situação financeira, já que todos sabem da dificuldade encontrada pelos professores, sobretudo do ensino público, em nosso país.

Segundo Alexandre, é essencial “a observação de si mesmo” para que exista uma mudança de postura dos profissionais. “O professor é muito exigente quando está na plateia, mas é pouco exigente consigo mesmo quando está no palco”, revelou. Ao ser questionado sobre o que espera que os educadores presentes em sua palestra levem para suas vidas, Alexandre disse esperar “que eles saiam daqui cheios de perguntas, a pergunta é mais importante que a resposta.” Completou falando que espera que “eles (os educadores) saiam pensando no papel de cada um deles”.

O palestrante disse ainda que é preciso prestar atenção para o que temos ao nosso redor, em especial os gestos, já que isso facilita a comunicação. “O corpo fala”, revelou antes de explicar que esse é o motivo de ser necessário um cuidado maior com a forma que nos comunicamos. “Não adianta dizer uma coisa se o corpo diz outra”, explicou.

Alexandre, que acredita que o professor do Ensino Básico deva ganhar mais do que o professor do Ensino Universitário, já que os primeiros professores de uma criança são fundamentais para a sua formação, disse ainda que ninguém quer ficar perto de quem só reclama, ironizando os diversos professores que chegam às escolas reclamando pelo trabalho e principalmente de seus alunos.

Para encerrar a palestra, marcada pelo bom-humor, as atuações teatrais e principalmente por palavras motivacionais, Alexandre fez uma última dinâmica com os educadores presentes, pedindo que esses fechassem os olhos e imaginassem a presença de alguém que desejassem agradecer e perdoar.

Ainda durante entrevista, Alexandre disse que é “fundamental” que o professor tenha o gosto pelas artes, para que ele possa passar esse gosto aos seus alunos. “Se o professor tem amor pela palavra, pela arte, ele vai ser um agente motivador do seu aluno pra isso. Se ele gosta de algumas histórias, ele trabalha essas histórias”. “E se ele souber canalizar isso em sua classe, a classe não esquece”, completou.

Já no fim de sua entrevista, Alexandre disse estar feliz em participar da Semana Edgard Cavalheiro. Disse ainda: “estou muito feliz de estar em Espírito Santo do Pinhal, uma cidade que tem um teatro maravilhoso, pessoas muito acolhedoras. Quero voltar pra esse teatro novamente, e se tiver a oportunidade de estar conversando novamente com os ouvintes (no caso leitores) pra mim seria realmente um verdadeiro prazer, ou um presente como eu costumo dizer”.

 

SONY DSC SONY DSC SONY DSC SONY DSC SONY DSC SONY DSC SONY DSC SONY DSC SONY DSC SONY DSC SONY DSC SONY DSC SONY DSC SONY DSC SONY DSC SONY DSC SONY DSC SONY DSC SONY DSC SONY DSC SONY DSC SONY DSC SONY DSC SONY DSC SONY DSC SONY DSC SONY DSC SONY DSC SONY DSC SONY DSC SONY DSC SONY DSC SONY DSC SONY DSC SONY DSC SONY DSC SONY DSC SONY DSC SONY DSC

12311101_932419773478464_1231929020317032740_n
111 12227650_924401994280242_7856840745081785682_n

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *