Candidatos a prefeito poderão ir às ruas e balneários pedir votos em pleno verão de Guarapari

0

Após registro de candidaturas, a propaganda política estará liberada a partir de 5 de janeiro. Assim, candidatos poderão ir às ruas e balneários pedir votos em pleno verão de Guarapari

Os 82,7 mil eleitores de Guarapari vão ter que voltar às urnas no dia 3 de fevereiro para, enfim, eleger prefeito e vice-prefeito do município. Hoje, não há um nome para assumir a cidade a partir de primeiro de janeiro porque o candidato mais votado nas eleições de outubro, o atual prefeito Edson Magalhães (PPS), teve o registro de candidatura indeferido pela Justiça Eleitoral. Os votos que recebeu não foram computados.
O Tribunal Regional Eleitoral do Espírito Santo (TRE-ES) aprovou nesta quinta-feira (13) a resolução com as regras do novo processo eleitoral, porém a nova disputa pode ser realizada em vão. Segundo explicou o diretor-geral do TRE-ES, Alvimar Dias Nascimento, caso o Supremo Tribunal Federal (STF) acolha os recursos de Magalhães para manter a última votação, valerá o resultado das eleições de outubro. Na ocasião, Magalhães obteve 58% dos votos válidos e superou os adversários.
“Se sobrevier alguma decisão futura do Supremo Tribunal Federal reintegrando esse candidato ao cargo, obviamente que vai prevalecer essa decisão da Suprema Corte. São cenários que podem se desenvolver, mas isso com o tempo”, afirmou.

Neste cenário, até que a nova disputa seja realizada, a cidade será comandada pelo futuro presidente da Câmara de Vereadores da cidade. Os parlamentares também tomam posse no dia primeiro de janeiro.

Calendário político

Os partidos políticos terão entre 26 de dezembro a 2 de janeiro para realizarem suas convenções em Guarapari. Os registros de candidaturas deverão ser feitos até às 19 horas do dia 4 de janeiro. A propaganda política estará liberada a partir do dia seguinte, e os candidatos, em pleno verão de Guarapari, poderão ir às ruas e balneários pedir votos. No rádio e na TV, os candidatos poderão fazer a propaganda entre 17 e 31 de janeiro.

Em outubro, após a apuração dos votos, o candidato Ricardo Conde (PSB) chegou a ser anunciado prefeito eleito de Guarapari, com 13.846 votos. Como os votos de Edson Magalhães não foram contabilizados, o total representaria 64,7% dos votos válidos. Os dois não foram localizados na noite desta quinta para comentar a resolução aprovada pelo TRE.

Candidato a vice-prefeito na chada de Edson e agora apoiado pelo prefeito, o empresário Orly Gomes (DEM) reafirmou ser pré-candidato na nova disputa.
Indeferimento
O TRE havia indeferido o registro de candidatura de Edson Magalhães por entender que ele concorria ao terceiro mandato de prefeito consecutivo, o que é inconstitucional. Em 2006, Magalhães era vice-prefeito e assumiu a prefeitura por um ano e oito meses, após afastamento do então prefeito. Em seguida, ele foi eleito chefe do Executivo, em 2008. Por isso, não poderia se candidatar novamente ao cargo nas eleições municipais de 2012.
Os ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) tiveram o mesmo entendimento dos juízes do TRE e mantiveram o indeferimento. Edson recorreu das decisões no STF, mas os recursos não têm efeito suspensivo sobre a atual situação de Guarapari.

 

Fonte: Rádio CBN Vitória (93,5 FM)