Carlim da Dengue: “Não fiz nada ilegal nem imoral”

0

DSC_0040 - CópiaApós o Tribunal de Contas Estadual (TCES) determinar a suspensão do pagamento de R$ 37,2 mil em despesas de 11 vereadores de Barra de São Francisco com um curso do Instituto Capacitar em Vitória.

O presidente da Câmara, Carlim da Dengue (PMDB), afirmou que não fez “nada ilegal nem imoral” e que vai se manifestar sobre a decisão por escrito, no prazo legal. Ele informou que os pagamentos já foram efetuados.

Na sexta-feira, o conselheiro do TCES Domingos Taufner determinou a suspensão do pagamento e deu 10 dias para o presidente da Casa dar informações sobre o evento.

diante dos fortes indícios de irregularidades”, apontados em representação da área técnica da Corte contra a Câmara.

O TCES aponta que o curso “tem programação evasiva e superficial, sem horário de término das atividades”.

Na quinta-feira, houve o flagra da sala vazia no horário do curso. A inscrição custou R$ 390 para cada vereador. Eles receberam R$ 3 mil em diárias, para cinco dias de treinamento em Vitória.

O presidente da Câmara negou “esvaziamento do curso” e alegou que a sala estava vazia na quinta-feira, às 16 horas, enquanto a programação previaaulaaté as 17h, porque fizeram “uma hora só de almoço em vez de duas, para sair mais cedo”.

“Não fiz nada ilegal, nem imoral. Não estamos escondidos. Estou aprendendo muita coisa e fortalecendo o Legislativo. Os vereadores estão sempre precisando aprimorar”, justificou Carlim.

Fonte: Gazeta Online