Ex-governador Paulo Hartung tenta recuperar controle das articulações eleitorais

0

As movimentações do ex-governador seriam para retomar o comando do processo eleitoral, que no momento pertence ao governador Renato Casagrande

No caminho da reeleição do governador Renato Casagrande há uma disputa de bastidores. E o socialista vem levando vantagem nessa disputa, já que pertence a ele o controle do processo de articulação neste período pré-eleitoral. Circula nos meios políticos que esta é uma primeira barreira a ser vencida, já que não estaria nos planos do ex-governador Paulo Hartung perder o comando do processo.
Essa perda de comando ficou evidente no momento em que seu nome foi cogitado para ser o puxador do palanque do PT no Estado, como candidato ao governo para dar sustentação à candidatura da presidente Dilma Rousseff, Hartung. Esse movimento, porém, não esvaziou as forças políticas que estavam e continuam no palanque do governador.
Hartung estaria se movimentando neste sentido para conseguir assento na mesa de discussão do processo, para dividir com Casagrande este controle. Mas tem encontrado dificuldades para criar as condições que lhe deem capital político necessário para isso.
Um movimento bem emblemático foi com o PSDB no sentido de inflar a ideia de que ele poderia fortalecer, no Estado, o palanque do presidenciável tucano, senador Aécio Neves. Valendo-se da ligação do tucano com o governador de Pernambuco, o também presidenciável Eduardo Campos teria a intenção de criar problemas para as movimentações de Casagrande.
Mas a estratégia não logrou êxito nos meios políticos. A posição de neutralidade de Casagrande e as inconsistências do cenário nacional favoreceram a reaproximação do governador com o PT, enfraquecendo a movimentação de aliança entre PT e PMDB.
O PSDB também estaria em posição complicada, já que a ingerência da Rede de Marina Silva, nas alianças do PSB com os tucanos, pode atrapalhar a já difícil situação do PSDB no Estado.
A nova movimentação de Hartung envolveria os aliados do DEM, no sentido de criar a expectativa de indicação da vice na chapa de Casagrande, que teria o objetivo de pressionar o governador. O problema é que o partido também tem muito pouca força política no Estado.
O prefeito de Vila Velha, Rodney Miranda, eleito com o apoio de Hartung, tem feito uma administração abaixo da média no município. O presidente da Assembleia, Theodorico Ferraço (DEM), estaria tentando eleger a mulher, Norma Ayub para o Legislativo estadual, assim como o aliado, Edson Magalhães, mas não se sabe se ele terá condições de disputar uma vaga na Câmara dos Deputados. E o deputado Elcio Alvares, líder do governo, como virtual nome para ser vice na chapa de Casagrande, tem problemas na captação de votos. Por isso, o partido não tem condições de pressionar Casagrande e a possibilidade de essa movimentação também não obter êxito é grande.
fonte/http://seculodiario.com.br/