Hospital Dra. Rita de Cássia: após desaparecimento de equipamento, funcionários da UTI em Barra de São Francisco estão sob pressão e ameaçados de demissão

0

DSC_0113Um clima de tensão tomou conta do hospital Dra. Rita de Cássia na última semana do mês de setembro de 2013. Técnicos da UTI estão transtornados com a pressão vivida nos últimos dias, a ponto de alguns falarem em pedir demissão.

De acordo com uma denúncia, tudo começou após o desaparecimento de uma pulseira, que é equipamento usada no tratamento de pacientes. Essa pulseira foi mandada ao hospital pelo Governo do Estado.

De acordo com informações que o SiteBarra teve acesso, os funcionários estão sendo obrigados a pagar o equipamento, tirando dinheiro do salário e repassando para a coordenadora da UTI.

A imprensa local conversou com o Diretor do Hospital, Kepler Alexandre, que disse não saber da situação. “Vou verificar com a Polyana, mas não acredito que isso esteja acontecendo”, disse o Diretor.

Na denúncia, que foi feita anonimamente por medo de repressão, a informação é que o diretor tinha conhecimento de toda a situação, junto com Polyana, que é a coordenadora da UTI.

SiteBarra+Barra+de+Sao+Francisco+GEDC37580-300x208

Veja abaixo o trecho da denúncia encaminhada a um jornal local.

Essa pulseira e de trabalho eu não sei dizer como é, mas sei que foi mandado pelo governo para algum tipo de tratamento com pacientes. Mas em fim foi perdida e procuraram e não acharam a tal pulseira, fizeram uma reunião e a enfermeira Polyana disse que os técnicos teriam que pagar, um dos técnicos questionou a enfermeira Polyana que no dia que sumiu tinha dado movimento muito grande na UTI e que a pulseira poderia ter ido junto nas roupas de cama para lavar, mas mesmo que se eles tivessem que pagar algum objeto do governo que veria descontado na folha de pagamento, mas a enfermeira Polyana respondeu que os técnicos iriam pagar quando recebesse e que eles tenham que tira do salário deles que vão receber agora final do mês /; cada um vai tirar 50,00 e entregar na mão da enfermeira Polyana.

E quem não entregar os 50.00 a ela vai ser mandado embora. Alguns falaram que ia contar para o diretor ai Polyana disse que não precisava porque ele já sabia.  Amigo eu te pergunto isto não é roubo não?    Uma técnica saiu hoje chorando e disse que estava indo pedir conta; a Polyana fala o tempo inteiro que vai mandar as pessoas embora que ela e o diretor têm o poder; tem uma técnica la que está fazendo tratamento com psicólogo porque não quer perder o emprego. Elas são chamadas constantemente de incompetente de burras de mal trabalhadoras e não podem, falar nada porque são ameaçadas pela Polyana e pelo diretor do hospital constantemente  a ser mandada embora.  O diretor do hospital e a enfermeira Polyana fizeram da UTI um verdadeiro trabalho escravo sem direito a nada muitas vezes sem direito a ir ao banheiro ou jantar trabalham de 7 horas da noite a 7 da manhã e são chamadas de burras incompetentes e elas não falam nada com medo de perder seus empregos porque precisam do seu emprego.

Um dos técnicos procurou a policia para denunciar, mas ficou com medo de alguém descobrir e fosse mandado embora do serviço. Faltam remédios na UTI ai tem que descer e procurar na farmácia do hospital

Mas a farmácia fica fechada à noite os técnicos da UTI não sabem onde ficam os remédios. Há poucos dias,  um técnico foi buscar remédio  na farmácia do hospital mas não achou  o remédio,  o diretor disse que se ele achasse o remédio iria demitir o técnico  o  técnico respondeu ao diretor que ele trabalhava na UTI  é obrigatório ter os remédios na UTI e que ele não trabalha  na farmácia do hospital . Segundo informações o técnico já esta cumprindo aviso.

Você pode confirmar essa denúncia procurando uns dos trinta técnicos que trabalham na UTI.”

DSC_0117 DSC_0123 DSC_0120