PF apreende animais no Norte do ES que seriam vendidos por até R$ 3 mil no RJ

0

A principal espécie de papagaio traficada pelo grupo investigado é o Papagaio Chauá, espécie ameaçada em extinção

PF apreende animais no Norte do ES que seriam vendidos por até R$ 3 mil no RJ
Por Site de linhares

 

Policiais Federais, em conjunto com servidores do Ibama do Espírito Santo e Rio de Janeiro e do ICMBio, deflagraram na manhã desta terça-feira (09), uma operação policial para reprimir a ação de uma organização criminosa especializada no tráfico de animais silvestres que atuava no norte capixaba e na baixada fluminense.
Estão sendo cumpridos 13 mandados de busca e apreensão expedidos pela 1ª. Vara Federal Criminal de Colatina, nos municípios de Vila Valério (05), São Gabriel da Palha (02), Nova Venécia (01), Águia Branca (01) e Magé(04), no Rio de Janeiro.
Em razão da grande quantidade de mandados a serem cumpridos, além dos Policiais Federais lotados na Delegacia de Repressão aos Crimes contra o Meio Ambiente (DELEMAPH), a operação contou com a participação de aproximadamente 55 outros policiais do Espírito Santo, Rio de Janeiro e Minas Gerais.
O objetivo das ações de hoje, além do cumprimento das ordens judiciais, é obter novos elementos de provas para desmantelar o grupo criminoso dedicado ao cometimento de Crimes Contra à Fauna.
As investigações se iniciaram após ação fiscalizatória realizada pelo IBAMA e ICMBio que resultou na prisão de pessoas que estavam de posse de 8 filhotes de papagaio Chauá (espécie ameaçada de extinção) e de dois de seus ovos, capturados, possivelmente, no interior da Reserva Biológica de Sooretama ou em seu entorno.
Durante as investigações foram identificadas ao menos outras 8 pessoas que atuam em Vila Valério, São Gabriel da Palha, Nova Venécia e Águia Branca predando ninhos e capturando filhotes de aves de várias espécies.
Esses caçadores, no período de nascimento de filhotes de papagaio (entre setembro e janeiro), coletam os filhotes das aves nos ninhos e os vendem a um intermediário no Espírito Santo.
O intermediário repassa os animais para um grande comerciante de animais silvestres ilegalmente capturados na natureza que, a partir do Rio de Janeiro, envia os animais para outros estados do país.
Cada filhote de papagaio é vendido pelos caçadores por cerca de R$ 100, o intermediário os revende para o comerciante no Rio de Janeiro por R$ 150 e os animais são vendidos por até R$ 3 mil ao comprador final.
A principal espécie de papagaio traficada pelo grupo investigado é o Papagaio Chauá, mas também se verificou outras espécies, tais como a Maracanã-verdadeiro e a Maritaca.
Além das aves, a organização criminosa também comercializa outros animais que tenham valor comercial. As investigações constataram a venda de macacos-prego (também ameaçado de extinção), coleirinhos, corrupiões, corujas e de filhotes de jacaré.
No caso dos macacos-prego, apenas os filhotes eram capturados, uma vez que os animais adultos são muito agressivos. Para conseguir pegar os filhotes os caçadores abatiam as mães.