Trigêmeas capixabas passam no vestibular para Medicina juntas

0

1_785_gemeas-836035-5133b47e502ccJúlia, Natália e Isabela Carvalhinho Carlos de Souza, trigêmeas de 18 anos, provaram que o apego aos estudos vem de berço

Se passar para Medicina não é fácil, imagine uma aprovação tripla na mesma família. E mais: entre irmãs. Júlia, Natália e Isabela Carvalhinho Carlos de Souza, trigêmeas de 18 anos, provaram que o apego aos estudos vem de berço: Júlia passou em primeiro lugar no vestibular de Medicina da Universidade Federal Fluminense (UFF), onde fará o curso na mesma turma de Isabela, também aprovada na instituição. Já Natália vai continuar em Vitória: ela foi aprovada na Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia (Emescam), para o mesmo curso.

A história das trigêmeas capixabas está no Jornal Extra, do Rio de Janeiro. Júlia contou ao jornal que, por ser filha de médico, desde criança frequentava o consultório do pai, fascinada com o ambiente de clínicas, consultórios e hospitais. O gosto pela profissão era compartilhado com as irmãs Isabela e Natália.

Ela sempre estudou muito, e conta que chegava em casa tarde e mesmo assim continuava debruçada nos livros. “Minha escola tinha carga horária integral. Logo, chegava em casa ao redor das seis da tarde e estudava até dez e meia da noite. Nos fins de semana, também estudava pelas manhãs e tardes”.

No Rio, além do primeiro lugar na UFF – Medicina tem a relação candidato/vaga mais difícil da instituição – foi aprovada também na  Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj).

As futuras médicas ainda não decidiram em que área desejam atuar. “Não há disputa entre nós. Uma sempre torce pelo sucesso da outra”,  conclui Isabela.