Francisquenses percorrem as trilhas do “Pico da Bandeira”o ponto mais alto da região Mineira e Capixaba

0

DSC_0390Nesta sexta feira dia 05 de julho, um grupo de 42 pessoas partiram  de Barra de São Francisco, com destino ao “Pico da Bandeira” a excursão foi promovida pelaEdilena Cirilo de Paula e Rodrigo Rodrigues Pereira,  onde o grupo Francisquense desbravou as trilhas até o ponto mais alto da nossa região,com uma temperatura de “8°graus abaixo de Zero”, nesta época do ano a temperatura nos campos de altitude do Caparaó cai facilmente abaixo do zero grau centígrado. Durante este fim de  semana mais de 600 pessoas percorreram o percurso cheios de trilhas .

Alto Caparaó também é local de concentração de religiosos evangélicos de todo o Brasil. Várias igrejas mantêm centros de convenções no local.

DSC_0420

Devido as baixas temperaturas Luvas, toucas de frio e calçado impermeável são imprescindíveis. Dentro das barracas recomenda-se o uso de colchões infláveis ou isolantes térmicos em EVA, para evitar que o frio do solo passe para o corpo, curiosamente é nesta época que mais é frequentado o parque.

A 4,5 quilômetros fica o acampamento base, o Terreirão (2.370 metros), onde os aventureiros se concentram. Do Terreirão faz-se o “ataque” aos picos da Serra do Caparaó, Vale do Cristal ou Vale Encantado.

O Pico da Bandeira é o ponto mais alto dos estados do Espírito Santo e de Minas Gerais, como também de toda a Região Sudeste, sendo o terceiro ponto mais alto do  Brasil.

DSC_0244

O Pico está localizado no Parque Nacional do Caparaó, na Serra do Caparaó, na divisa entre os municípios de Ibitirama, Espírito Santo, e Alto Caparaó, Minas Gerais.

Como a serra divide os estados de Minas Gerais e Espírito Santo, o visitante ora caminha por terras mineiras, ora transita por terras capixabas quando percorre as trilhas no Caparaó”. A maior parte do território do Parna Caparaó (78%) fica no Espírito Santo.

O Pico da Bandeira possui esse nome porque, por volta de 1859, D. Pedro II determinou que fosse colocada uma bandeira do Império no que, na época, era tido como o ponto mais alto e imponente do Brasil.4

DSC_0171

Mesmo sendo o terceiro ponto mais alto do Brasil, o Pico da Bandeira é a mais acessível das montanhas mais altas do país5 pois existem trilhas muito bem sinalizadas pelo lado do Espírito Santo (Portaria Capixaba na comunidade de Pedra Menina, em Dores do Rio Preto) e também pelo lado de Minas Gerais (Portaria Mineira em Alto Caparaó)

 

ALTO CAPARAÓ – Cerca de 35 mil visitantes devem passar nos meses de junho, julho, agosto e setembro deste ano pelo Parque Nacional do Caparaó (Parna Caparaó).

DSC_0471

Estes são os meses de alta temporada na unidade de conservação, que é administrada pelo Instituto Chico Mendes para a Preservação da Biodiversidade (ICM-Bio) desde 2008.

O parque abrange a Serra do Caparaó, onde estão três dos pontos culminantes do Sudeste brasileiro: o Pico da Bandeira (2.892 metros de altitude), o Pico do Cristal (2.798m) e o Pico do Calçado (2.766 m), os mais visitados pelos turistas, com predominância absoluta do Pico da Bandeira.

944724_479619782127844_626738932_n
O Pico da Bandeira é o ponto mais elevado e mais visitado da serra do Caparaó, e tem trilhas demarcadas por setas pintadas em tinta amarela nas pedras.

Os picos do Calçado e do Cristal tem trilhas demarcadas por “totens”, pequenos amontoados de pedras que permitem ao caminhante orientar-se quanto ao sentido a seguir.

Ao longo dos anos a diversidade dos totens acabou gerando confusão. Então, só os aventureiros mais experientes devem percorrer essas trilhas a sós.
Adeptos de caminhadas de montanha e fotógrafos, amadores ou profissionais, são os frequentadores mais assíduos. Muitos fazem uma “peregrinação anual” ao Caparaó, outros a chamam de a “Montanha Sagrada do Sudeste”.

DSC_0167

 

 

Casa de pedra, cuja história é uma das curiosidades do parque

 

Há quem vá só pelo desafio de atingir o ponto culminante do Sudeste, o Pico da Bandeira. A época de frio, justamente a mais inóspita, curiosamente é a mais adequada para a visita, porque há menor risco de chuva.

Na serra, o período chuvoso é traiçoeiro e deve ser evitado a todo custo. Entre os visitantes mais frequentes estão paulistas, fluminenses, mineiros e capixabas, e depois os turistas vindos principalmente do Sul do Brasil. Não raro encontram-se estrangeiros caminhando pelas trilhas.

DSC_0309

Temporada
O comércio na cidade de Alto Caparaó vive um bom momento neste período. Lojas de conveniência, pousadas e hotéis ficam lotados. Para atender ao público qualificado, surgiram casas especializadas em alta gastronomia.

Os empreendimentos acabaram atraindo turistas que vão apenas para curtir a tranquilidade de uma cidade marcada pela forte presença de evangélicos, descendentes de pioneiros europeus que chegaram à região no século XIX.

DSC_0584

  

As portarias, tanto no lado mineiro, pela cidade de Alto Caparaó, quanto do lado Capixaba, por Dores do Rio Preto e o distrito de Pedra Menina, cobram uma taxa para que o visitante entre no Parque.

 

Há limitações nas áreas de acampamento, que lotam em feriados prolongados e fins de semana com lua cheia. Nas áreas de camping são cobradas taxas extras, essenciais para a manutenção do Parna Caparaó.
Nesta época do ano a temperatura nos campos de altitude do Caparaó cai facilmente a zero grau centígrado, e não raro a temperatura fica abaixo de zero, principalmente quando, em julho, chega alguma massa de ar polar. Quem for ao Caparaó para permanecer à noite na montanha deve se informar bem sobre a forma correta de se agasalhar.

Ao caminhar pelas trilhas use moletons leves ou roupas corta-vento, para evitar que fiquem encharcadas de suor. Nas áreas de camping é inevitável o uso de vestes em camadas para se livrar dos efeitos do frio, roupas de lã e tecidos especiais sobre a pele, seguidas de roupas com tecido “corta vento”.
É proibido alimentar os animais. Os mais comuns são os quatis, que rasgam sacolas, furtam comida e podem danificar barracas e mochilas se sentirem cheiro de alimento. Assim, é importante acondicionar bem a comida.

DSC_0472
 

 

O turista pode hospedar-se em Alto Caparaó e visitar a serra e outros atrativos, como o Vale Verde, com quatro quilômetros de cachoeiras e piscinas naturais.

Dia e noite, viagens de jipe podem ser contratadas para uma pessoa, casal ou grupo de quatro para visita ao mirante da Tronqueira (1.730 metros).

É possível também ir de carro, mas a subida íngreme exige muito do motor. O percurso, de seis quilômetros, saindo da cidade, passa pela portaria e vai até a Tronqueira, onde há cachoeiras, camping e mirante. A partir daí a viagem é feita a pé.

O local tem uma “praça das mulas”, com tropas que levam e trazem, o tempo todo, as tralhas dos aventureiros que acampam e passam até quatro dias na montanha.

I011810
Quem não quiser acampar, mas só visitar o Pico da Bandeira, vai caminhar mais dois quilômetros, em trilha de dificuldade média. Quem está acostumado ao exercício físico pode fazer esse percurso de ida e volta em um dia.
A subida ao Pico da Bandeira pode ser feita do Terreirão às 03h30, para ver o nascer do sol. Os aventureiros gostam de subir à tarde para ver o pôr do sol. No caminho é possível desfrutar de paisagens espetaculares. Até o Pico da Bandeira a trilha é demarcada.

A ida ao Pico do Cristal, Vale do Cristal, Pico da Cruz do Negro, Pico do Calçado e outros, demanda conhecimento do terreno. O mais recomendável é contratar um guia nas pousadas e hotéis de Alto Caparaó.

Hospedagem
As opções de hospedagem em Alto Caparaó incluem uma área de camping bem no Centro da cidade, pousadas simples, mas confortáveis, chalés e hotéis sofisticados.

Há pizzarias e restaurantes com culinária típica mineira (se gosta de peixe não deixe de experimentar a truta). Também há alambiques, produtores artesanais da cachaça, cafeicultores e queijeiros.

DSC_0072 DSC_0090 DSC_0081 DSC_0068 DSC_0061 DSC_0059 DSC_0057 DSC_0042 DSC_0038 DSC_0036 DSC_0025 DSC_0017 DSC_0014 DSC_0010 DSC_0009 DSC_0008 DSC_0007 I011810 DSC_0463 DSC_0340

DSC_0385 DSC_0380 DSC_0378 DSC_0376 DSC_0371 DSC_0368 DSC_0366 DSC_0356 DSC_0353 DSC_0350 DSC_0348 DSC_0346 DSC_0345 DSC_0344 DSC_0342 DSC_0337 DSC_0333 DSC_0328 DSC_0325 DSC_0314 DSC_0312 DSC_0187 DSC_0200 DSC_0195 DSC_0193 DSC_0185 DSC_0183 DSC_0182 DSC_0180 DSC_0178 DSC_0176 DSC_0173 DSC_0165 DSC_0162 DSC_0156 DSC_0151 DSC_0143 DSC_0135 DSC_0130 DSC_0129 DSC_0128 DSC_0126 DSC_0123 DSC_0122 DSC_0112 DSC_0110 DSC_0107 DSC_0116 DSC_0103 DSC_0102 DSC_0095

DSC_0340 DSC_0386 DSC_0119 DSC_0586 DSC_0385 DSC_0383 DSC_0387

 

DSC_0291 DSC_0290 DSC_0287 DSC_0281 DSC_0277 DSC_0274 DSC_0272 DSC_0269 DSC_0268 DSC_0266 DSC_0265 DSC_0263 DSC_0261 DSC_0258 DSC_0257 DSC_0254 DSC_0250 DSC_0249 DSC_0238 DSC_0232 DSC_0231 DSC_0228 DSC_0224 DSC_0223 DSC_0471 DSC_0248 DSC_0244 DSC_0222 DSC_0221 DSC_0218 DSC_0217 DSC_0216 DSC_0208 944724_479619782127844_626738932_n DSC_0119 DSC_0167 DSC_0171 DSC_0214 DSC_0246 DSC_0340 DSC_0386 DSC_0438 DSC_0460 DSC_0189 DSC_0193 DSC_0206 I011810 DSC_0586 DSC_0469 DSC_0468 DSC_0590 DSC_0588 DSC_0587 DSC_0584 DSC_0581 DSC_0466 DSC_0383 DSC_0385 DSC_0390 DSC_0393 DSC_0394 DSC_0395 DSC_0403 DSC_0407 DSC_0408 DSC_0418 DSC_0436