Polícia conclui que diarista americana foi queimada viva por marido na Serra-ES

Comente
CARRINHO-MALUCO
111 12227650_924401994280242_7856840745081785682_n
bandido

A Polícia Civil apresentou, na tarde desta quinta-feira (23), o resultado do inquérito que apura a morte da diarista americana Lena Hokani. Ela vivia com o marido Leonardo Domingos Mesquita, 43 anos, e a filha do casal, 1 ano e 4 meses, no bairro Vila Independência, Cariacica.

No dia 15, Leonardo foi preso como o principal suspeito pela morte da diarista. A conclusão da polícia é de que o marido colocou fogo na americana ainda viva.

O acusado contou para a polícia que, no dia 22 de julho, ele e Lena discutiram por conta de um cachorro que morreu envenenado. Ele empurrou a vítima, ela bateu a cabeça e caiu.

“O casal estava morando embaixo da casa da mãe de Leonardo. Ela tinha colocado veneno de rato na casa e o cachorro acabou morrendo. Na discussão, Lena teria dito que iria embora, quando levou um empurrão do marido e bateu a cabeça na quina da porta”, disse o titular da Delegacia Especializada de Homicídio contra a Mulher, delegado Janderson Lube.

Segundo o suspeito, ele saiu de casa e retornou após uma hora. Ao achar que a americana estava morta, o marido a colocou no carro com a filha do casal e foi até um posto para comprar combustível.

Leonardo ateou fogo em Lena em um terreno em Jardim Carapina, na Serra, e depois fugiu. No dia seguinte, ele levou a bolsa da vítima para um local próximo de onde ocorreu o crime e colocou fogo nos pertences da diarista, incluindo o celular.

De acordo com o inquérito, a vítima estava respirando quando foi atingida pelo fogo. O laudo também aponta uma hemorragia intracraniana pós traumatismo contundente.

O delegado disse que pediu conversão da prisão do acusado de temporária para preventiva. “Ele disse pra mim: ‘Fiquei com medo disso tudo aqui’. De ter de passar na delegacia”.

O acusado está preso no Centro de Triagem de Viana e foi indiciado por homicídio duplamente qualificado (meio cruel e feminicídio), ocultação de cadáver e fraude processual. O bebê está com a irmã mais velha, de 18 anos.

12311101_932419773478464_1231929020317032740_n
111 12227650_924401994280242_7856840745081785682_n

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *